8 de junho de 2015

Eis-me aqui, Senhor!

Tem dias que Deus fala com a gente, e fala na cara mesmo. Tem horas que precisamos ouvir a voz dEle soprando em nossos ouvidos. E só temos que falar “Eis-me aqui, Senhor...”, como Samuel fez. Não adianta fugir daquilo que Deus nos chamou pra fazer.
Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16:15)
É isso o que devemos fazer. Não adianta fugir. 

Deus fala conosco de diversas formas, e de maneira simples: através da Palavra (Bíblia), da oração, das circunstâncias, de profetas, de revelações. Deus fala face a face, e precisamos estar sincronizados com Ele pra identificar o que Ele quer de nós. Precisamos sair da nossa zona de conforto e atender aquilo que Deus espera de nós.

Para isso, a única coisa que devemos é nos render a Ele... É a única coisa que Ele deseja que façamos. A partir do momento que Ele passa a ser o centro das nossas vidas, tudo passa a ser consequência disso.
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. (Mateus 6:33) 
Vamos buscá-Lo com as nossas palavras, com as nossas atitudes, com a nossa fé. E tenho certeza que Ele vai nos usar de uma forma tremenda pra impactar a vida de outras pessoas com os nossos testemunhos de vida. Esse é o propósito.

Que tal tomarmos uma atitude de mudança hoje? Vamos exalar o perfume de Jesus, vamos fazer a diferença nesse mundo, amém? 

Fiquem na Paz de Deus.

1 de junho de 2013

Cegueira Espiritual

O texto de hoje está preparado há algum tempo atrás, mas só hoje Deus me permitiu postá-lo... Que Deus possa abençoá-los tremendamente através dele.

Vamos ao contexto:

Naquela época, a benção de Deus estava sobre os israelitas. Se faltava comida, eles reclamavam, e Deus mandava em abundância. Se faltava água, Deus fazia brotar até da rocha. Os israelitas começaram a conquistar cidades e derrotar exércitos.

Balaque (rei de Moabe) ficou apavorado ao saber das conquistas dos israelitas e começou a temer pelo seu povo. Então chamou Balaão, que era um profeta, para que este o acompanhasse para amaldiçoar o povo de Israel com o intuito de derrotá-los e expulsá-los.
"Eu sei que, quando você abençoa alguém, esse alguém fica abençoado e, se você amaldiçoa, fica amaldiçoado". (Números 22:6)
 Então Balaão pede a direção de Deus, e Ele responde:
"Não vá com eles, nem amaldiçoe o povo de Israel, pois é um povo abençoado." (Números 22:12)
Balaão, a princípio, obedece a Deus. Porém Balaque não aceita as suas desculpas e pede novamente que outros chefes tentem convencê-lo, oferecendo muitas riquezas (tentando suborná-lo), mas a resposta de Balaão é a seguinte:
"Mesmo que Balaque me desse todo o ouro e toda a prata do seu palácio, eu não poderia fazer coisa alguma, grande ou pequeno, que fosse contra as ordens do SENHOR, meu Deus" (Números 22:18)
Ainda assim, a ganância surge, e Balaão fica balanceado com a proposta. Mesmo Deus dando uma resposta precisa anteriormente, ele tenta obter uma confirmação de Deus sobre isso. Deus, percebendo a vontade de Balaão, permite que ele vá, desde que faça o que Ele mandar.
Então, pela manhã, Balaão vai ao encontro dos moabitas, e Deus fica irado porque Balaão foi contra a Sua vontade. Ele coloca um Anjo no meio do caminho para barrar a passagem.
A jumentinha que o carregava vê o anjo e tenta desviar 3 vezes, porém não consegue e é espancada pelo seu dono por não prosseguir viagem. Quando o anjo aparece também para Balaão, este fica envergonhado (Nm. 22:31), afinal a jumenta, que era seu animalzinho de estimação, nunca havia feito isso e tinha a real intenção de levá-lo ao seu destino, ou seja, não havia sido apenas "birra".
O Anjo, então, diz:
"Por que você bateu três vezes na jumenta? Eu é que vim como se fosse seu inimigo, para fazer você voltar, pois você não devia estar fazendo esta viagem. Mas a sua jumenta me viu e se desviou três vezes de mim. Se ela não tivesse feito isso, eu já teria matado você, e ela teria ficado viva." (Números 22:32-33)
É o seguinte:

1) Balaão perdeu a comunhão com Deus. 
A ganância (que é uma ambição sentimental) o impediu de enxergar os propósitos de Deus na vida dele. Quantas vezes não deixamos os desejos carnais ultrapassarem as barreiras espirituais? Isso faz com que percamos a visão que o Espírito Santo nos dá.

2) Descontrole emocional
A falta de comunhão fez com que ele se descontrolasse emocionalmente, batendo na jumentinha, que era seu animal de estimação.

3) Falta de comunhão + Descontrole emocional = Cegueira Espiritual
A cegueira de Balaão poderia tê-lo levado a morte, mas a jumenta viu e fez com que se livrasse.
A desobediência acaba cegando espiritualmente e pode levar a morte (física e espiritual). Por isso devemos nos manter no centro da vontade de Deus!

Ou seja: Balaão ficou cego pelo pecado, atraído pelo dinheiro e cego espiritualmente.

Deus nos dá o livre arbítrio. Porém, a Palavra mesmo diz:
"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma" (I Coríntios 6:12)
A partir do momento em que decidimos não fazer a vontade do Pai, Ele libera a vontade permissiva dEle. Voltando ao texto, quando Balaão pediu para que Deus falasse com ele na primeira vez, a resposta negativa foi a Sua vontade real/absoluta. Mas como Balaão estava cego pelas riquezas oferecidas e insistiu, Deus permitiu que ele fosse.

Antes de qualquer coisa, procure descobrir a real vontade de Deus pra sua vida, pois pra tudo Ele tem um propósito, e no caso de decidirmos desobedecer, as consequências podem ser amargas.

Deus os abençoe.
Com amor,
Letícia.